Candidatura da Alemanha ao Conselho de Segurança 2019/2020

Logotipo da candidatura alemã ao Conselho de Segurança Ampliar imagem Logotipo da candidatura alemã ao Conselho de Segurança (© Federal Foreign Office) A Alemanha apresenta a sua candidatura a um lugar de membro não‑permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas. O Ministro Federal das Relações Externas, Frank‑Walter Steinmeier, anunciou, no passado 27 de junho de 2016, em Hamburgo, a candidatura da Alemanha para o biénio 2019/2020. As eleições deverão ter lugar em junho de 2018 na Assembleia Geral das Nações Unidas. Esta nova candidatura (depois do último mandato no Conselho de Segurança, em 2011/2012) reflete a vontade política da Alemanha de contribuir ativamente para a paz e a segurança, enfrentando todos os desafios com que o Conselho de Segurança tem de lidar. Assumindo este novo mandato no Conselho de Segurança, a Alemanha daria relevo à sua posição e ao seu peso no seio das Nações Unidas.

No seu discurso pronunciado na câmara municipal de Hamburgo, onde participou no evento “GIGA Distinguished Speaker Lecture Series” a convite do Instituto Leibniz de Estudos Globais e Regionais (GIGA), Steinmeier destacou a importância do Conselho de Segurança da ONU: O Ministro Federal das Relações Externas, Frank Walter Steinmeier, pronunciando o discurso em que anuncia a candidatura alemã. Ampliar imagem O Ministro Federal das Relações Externas, Frank Walter Steinmeier, pronunciando o discurso em que anuncia a candidatura alemã. (© Thomas Trutschel/photothek.net )

“Nestes tempos conturbados, precisamos como nunca das Nações Unidas e do Conselho de Segurança para os nossos esforços em prol da paz. E apesar de o Conselho de Segurança da ONU ter sido frequentemente alvo de críticas e de se ver, com efeito, em algumas ocasiões bloqueado, continua a ser o único órgão capaz de adotar medidas vinculativas à luz do direito internacional para prevenir conflitos e manter a paz. Não obstante todo o ceticismo reinante, no ano passado o Conselho adotou 60 de 63 resoluções por consenso, tornando‑se o principal gestor de crises a nível global!”

Isto reveste‑se de especial importância também e sobretudo para a Alemanha, uma vez que, conforme afirma Steinmeier: “A Alemanha, enquanto país que, do ponto de vista económico, político e social, mantém vínculos estreitos com o mundo em redor – alguns estudos afirmam até que se trata do país mais interligado do mundo – depende de forma especial de uma ordem internacional eficaz, pacífica e baseada em regras. E por ser assim, temos de trabalhar ainda mais para preservar e desenvolver essa ordem.”

A grande variedade de atividades alemãs desenvolvidas no seio das Nações Unidas pode ser resumida pelas palavras “Paz, Justiça, Parceria e Inovação”, que são as palavras-chave da candidatura.

Representação gráfica dos membros do Conselho de Segurança em língua inglesa Ampliar imagem Membros do Conselho de Segurança (© Bundesregierung)

Paz

Num mundo “fora dos eixos”, exige‑se cada vez mais à comunidade internacional que enfrente em conjunto as ameaças tradicionais e novas. Aqui, a Alemanha mostra ser um parceiro fiável: faz quase 30 anos que a Alemanha participa em missões de paz, contribuindo tanto com pessoal como com recursos financeiros. A prevenção de conflitos, a estabilização, a gestão pós‑conflito e o controlo do armamento constituem pilares fundamentais da nossa política externa.

Justiça

A Alemanha advoga uma ordem mundial que seja eficaz e baseada em regras. Os direitos humanos são o fundamento da nossa convivência global. A igualdade de género e a capacitação de todas as mulheres e jovens, a inclusão social e os direitos económicos, sociais e culturais fazem parte dos nossos valores fundamentais que a Alemanha defende todos os dias a nível global.

Inovação

Uma das questões centrais é, para nós, a política climática. O acordo vinculativo sobre o clima, negociado em Paris, estabelece as bases para um abastecimento energético sustentável a nível mundial. Como membro fundador do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, estamos apostados em partilhar as nossas múltiplas experiências e ambições enquanto país pioneiro no domínio das energias renováveis. Outra prioridade nossa é a igualdade de acesso a uma educação de qualidade para todas as crianças e jovens. Trata‑se de assuntos que, embora à primeira vista não pareçam estar relacionados com a segurança, são na realidade condições imprescindíveis para uma sociedade pacífica e livre. Sem o acesso à educação e à água, sem um ambiente saudável não pode haver segurança.

Sessão do Conselho de Segurança da ONU Ampliar imagem Sessão do Conselho de Segurança da ONU (© picture alliance / dpa) Parceria

A Alemanha é parceiro do mundo e encara a parceria como uma relação de igual para igual. Queremos aprender e queremos colocar as nossas experiências ao serviço do desenvolvimento. Por isso, entendemos a política de desenvolvimento como um investimento no futuro. Política de desenvolvimento significa criar estruturas, partilhar conhecimentos e ideias, proporcionar ajuda à autoajuda. A Alemanha quer e pode contribuir para tornar o mundo mais humano. Isso implica o tratamento justo e digno dos refugiados. As razões que motivam a fuga devem ser enfrentadas no terreno. Por isso, a Alemanha contribui de forma substancial para as organizações de ajuda humanitária, como por exemplo a organização das Nações Unidas para os refugiados e o Programa Alimentar Mundial.

Candidatura alemã ao Conselho de Segurança

UN-Vollversammlung 2012

Candidatura da Alemanha ao Conselho de Segurança 2019/2020

Logotipo da candidatura alemã ao Conselho de Segurança

A Alemanha apresenta a sua candidatura a um lugar de membro não‑permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas. O Ministro Federal das Relações Externas, Frank‑Walter Steinmeier, anunciou, no passado 27 de junho de 2016, em Hamburgo, a candidatura da Alemanha para o biénio 2019/2020. As eleições deverão ter lugar em junho de 2018 na Assembleia Geral das Nações Unidas.