Entrevista do Embaixador da Alemanha, Georg Witschel, no Correio Braziliense

12/Dez/2016

Ampliar imagem

"Europa e Mercosul têm uma janela de oportunidade", diz embaixador alemão

Georg Wirshcel aposta em acordo comercial nos próximos anos, no vácuo do protecionismo esperado nos EUA com a era Trump 

Quando aceitou as credenciais do novo embaixador da Alemanha, Georg Witschel, o presidente Michel Temer recebeu também um convite para que esteja presente, no ano que vem, em mais uma rodada das negociações de alto nível entre os dois governos, no âmbito da parceria estratégica bilateral. “O Brasil continua sendo estratégico para nós”, disse o experiente diplomata de 62 anos, na entrevista que concedeu ao Correio na última sexta-feira. Há apenas três meses no país, Witschel, tirou partido do latim que aprendeu na formação como jurista: já fala português com admirável desenvoltura. Mais que isso, parece rápido também para assimilar traços marcantes do caráter brasileiro, como o bom humor que sobrevive a uma crise cuja gravidade o governo de Berlim não subestima.

“Sabemos que o Brasil vive uma crise muito profunda, econômica, política e também moral. Durante esta semana, também uma crise institucional — que, felizmente, parece terminada”, comentou, referindo-se à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a Presidência do Senado. O embaixador ressaltou como “um sinal importante” a decisão da Volkswagen de voltar a investir nas linhas de produção de ônibus e caminhões no país, depois de uma queda de 50% na atividade. E vêm com otimismo a janela de oportunidade aberta para um acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul, agora que ambos os lados topam com a expectativa de uma atitude protecionista nos Estados Unidos, sob o governo de Donald Trump.

Nem mesmo a ascensão dos movimentos neopopulistas de direita na Europa, com forte discurso contrário à UE e à globalização, parece um obstáculo insuperável. “Acredito que eles não serão capazes de impedir um acordo com o Mercosul. Talvez nem queiram isso”, arrisca Witschel.

Em que medida a ascensão dos movimentos neopopulistas de direita dificulta a definição de políticas comuns na União Europeia?
Esses movimentos são um desafio importante para todos os governos e todas as sociedades na Europa. Eu considero isso muito problemático, porque eles quase sempre tentam dar respostas simples e fáceis para questões difíceis e complexas. Na maioria, eles são também antieuropeus, muito hostis aos estrangeiros, xenofóbicos, quase sem exceção se colocam contra a globalização e o livre comércio. E costumam ser antiliberais, no sentido dos direitos civis. No que diz respeito à União Europeia (UE), a ascensão desses movimentos neopopulistas torna mais difícil promover reformas e fechar acordos comerciais com outros países e outros blocos, como o Mercosul. Nós experimentamos isso na conclusão do tratado com o Canadá. E agora, nas negociações com o Mercosul, vamos ter sempre de dar atenção para as condições políticas internas da Europa.  Por outro lado, é preciso conviver com eles, procurar esclarecer que, sem a UE, estarão muito ameaçados os direitos e as liberdades dos cidadãos europeus, assim como o nosso bem-estar social. A Alemanha é um dos principais países exportadores. A UE, em conjunto, é o principal parceiro comercial das demais regiões do mundo. Sem o livre comércio, a Europa será muito, muito mais pobre.

O impasse nas negociações comerciais entre a UE e os Estados Unidos criam uma situação mais favorável a um acordo com o Mercosul?
Esta é uma situação contraditória. De um lado, existe uma forte possibilidade de que o governo de Donald Trump adote uma postura mais protecionista, contrária à Parceria Transpacífica (TPP, recém-firmada pelos EUA com países da Ásia e do Pacífico) e inclinado a, pelo menos, frear o ritmo das negociações com a Europa. Isso pode representar uma janela de oportunidade para que a UE e o Mercosul fechem um acordo de livre comércio. Isso seria vantajoso para o Mercosul, uma vez que o comércio com os EUA tende a se reduzir. E o Mercosul deve cuidar para que a China não se coloque numa posição monopolista no comércio com a região. Portanto, esta é a oportunidade de ter parcerias comerciais variadas, e não apenas com um sócio. Acho que temos uma grande de concluir essas negociações entre 2018 e 2019, em condições que representem vantagem para a UE, o Mercosul e o Brasil. Contra isso pesa a oposição desses movimentos populistas, mas sou otimista e acredito que eles não serão capazes de impedir um acordo com o Mercosul. Talvez nem queiram isso, por sentirem que seria menos “perigoso” para a Europa do que acordos com os EUA ou com a Ásia. Portanto, vejo uma boa possibilidade para que esse acordo saia, depois de 20 anos. Graças, também, a Donald Trump.
 
A chanceler Angela Merkel, quando reeleita líder do partido e candidata a um novo mandato em 2017, falou sobre a questão do véu islâmico. É um efeito da ascensão do neopopulismo na Alemanha?
A chanceler fez essas declarações não como chefe do governo federal, mas como presidente da União Democrata Cristã (CDU). Não me cabe comentar, mas é preciso fazer algumas observações. Primeiro, ela não falou do véu em geral, compreendido como alguma maneira de cobrir os cabelos, como um lenço. Ela se referia à burca, que cobre quase totalmente o rosto e o corpo. Em segundo lugar, ela foi clara sobre os lugares e circunstâncias onde isso seria considerado — por exemplo, em uma manifestação de rua ou no controle de segurança de um aeroporto. Nessas situações, talvez seja o caso de proibir a burca, mas Merkel não falou em proibição completa, nem mesmo da burca.

*A entrevista pode ser lida na íntegra no site do Correio Braziliense http://t1p.de/nro8

© Correio Braziliense

Entrevista do Embaixador da Alemanha, Georg Witschel, no Correio Braziliense

Em cima da hora

Previsão do tempo

Brasilia:
(20.10.2017)
32 °C

Hora e tempo na Alemanha

Berlin:
23:47:27 14 °C
O serviço meterológico alemão

Aprender alemão

A rede social para fazer amigos e aprender alemão