Inauguração Programa de Residência Artística do Instituto Goethe de Salvador

Ampliar imagem

No dia 16 de novembro, às 19 horas, aconteceu a inauguração oficial do Programa de Residência Artística do Instituto Goethe de Salvador, o evento que foi apenas para convidados, foi marcado por entusiasmados discursos de diversas autoridades ali presentes. Fizeram-se presentes a cerimônia, o Presidente do Parlamento Alemão, Prof. Dr. Norbert Lammert; o Presidente do Goethe-Institut, Prof. Dr. h.c. Klaus-Dieter Lehmann; o Embaixador da Alemanha no Brasil, Dr. Georg Witschel; e a Substituta da Cônsul Geral da Alemanha em Recife, Martina Bock de Oliveira. Também marcaram presença a Cônsul Honorária da Alemanha em Salvador, Dra. Petra Schaeber além da Diretora Regional do Goethe-Institut, Dra. Katharina von Ruckteschel.

O Programa de Residência Artística do Goethe-Institut  intervém de forma consolidada na promoção de diálogos entre artistas e povo, criando intercâmbios e traduzindo experiências e formas de ver o mundo. A Alemanha ergue este investimento apoiado em vivências contemporâneas de mundo, irrestritas, despidas de censura, encorajando a liberdade de expressão e o poder transformador da cultura.

Investir em relações humanas e culturais é marca do Goethe-Institut, instituto cultural da República Federal da Alemanha ativo e presente em Salvador desde 1962. Após este mais de meio século de atividade na capital baiana, uma nova frente de trabalho se consolida e redimensiona um marco de diálogo entre o Brasil e demais países do hemisfério Sul; o Programa de Residência Artística Vila Sul, se torna o terceiro no âmbito geral das 159 unidades do Goethe-Institut do planeta, e primeiro e único no “sul global”, abaixo da Linha do Equador. Destarte, o Goethe abre as portas dos seus quatro cosmopolitas apartamentos construídos no andar superior da bela Mansão oitocentista, localizada no imponente Corredor da Vitória.

 A escolha de Salvador para esta empreitada não foi ocasional: a primeira capital do Brasil, de uma potência histórica impar e que bem define as realidades do hemisfério sul, com seus 83% de população afrodescendente, a cidade mais negra do mundo fora da África é sem duvida alicerce para estudo das relações e discursos de poder nos dias de hoje.

A festa foi embalada por dois DJs: um da Bahia e um da Alemanha, Daniel Haaksman, de Berlim, DJ, produtor e jornalista, quem introduziu pioneiramente, desde 2004, o som de favelas do Rio de Janeiro a uma audiência global, que trouxeram a convergência de sons ecoados pelas periferias do mundo, começando pelo epicentro musical do planeta, a África.